Proteínas são proteínas?

Proteínas são proteínas?

Proteinas

Em algum momento, vocês já ouviram falar que é importante ingerir proteínas. Será que todos elas são iguais?

Ao falar delas, devemos tem a consciência de que a quantidade certa e o tipo certo faz total diferença nos seus resultados. As proteínas são compostas por pequenas moléculas chamadas de aminoácidos.

Encontramos dois tipos de proteínas nos alimentos: animal e vegetal. A de origem vegetal são encontrados no: feijão, soja, ervilha, trigo, lentilha e etc. Já as proteínas de origem animal são: derivados do leite, frango, carne vermelha, peixes e outros.

Proteínas de origem vegetal não são úteis para hipertrofia ou manutenção da massa muscular pois são proteínas incompletas, ou seja, não possuem todos os aminoácidos necessários. É muito comum ver praticantes de musculação comendo claras de ovo e peito de frango, pois são alimentos isentos de gordura e que fornecem uma grande quantidade de proteínas, além de sua qualidade ser superior aos de origem vegetal por conta do seu valor biológico. Recomenda-se a ingestão de proteína em todas as refeições porque só ela é capaz de regenerar músculos, hipertrofia, regular seu metabolismo e promover sua manutenção muscular. 

Pra quem tem um dia muito corrido e não consegue tempo pra comer entre as refeições, barras e shakes de proteína auxiliam pela praticidade e disponibilidade de nutrientes em comparação a outras barras tradicionais, que na maioria dos casos, são ricas em gordura e açúcar.

Entendeu o porquê de você nunca ter visto um atleta comer hamburguer de soja ou lentilha como fontes de proteína? 

Acompanhe nossas redes sociais e mande suas dúvidas.

Gustavo Garcia
Personal Trainer

Relação sexual frequente impacta na fertilidade feminina

Relação sexual frequente impacta na fertilidade feminina

Quanto mais relações sexuais uma mulher tiver, mais frequentemente seu sistema imunológico receberá a mensagem de que é hora de ter um bebê — o que aumenta as chances de gravidez. É o que sugerem dois estudos publicados recentemente nos periódico cientificos Fertility and Sterility e Physiology and Behavior.

Os estudos, liderados por Tierney Lorenz, uma pesquisadora da Universidade de Indiana, nos Estados Unidos, mostram que, mesmo quando uma mulher tem relações sexuais fora do período fértil, são desencadeadas mudanças em seu sistema imunológico que poderiam aumentar a probabilidade de ficar grávida.

“O sistema imunológico media tudo: desde a garantia de que o espermatozoide irá encontrar o óvulo sem ser atacado como um invasor até a implantação do óvulo na parede uterina”, explicou Tierney, ao site da revista americana Time.

Em ambos os estudos, os pesquisadores analisaram dados de 30 mulheres saudáveis e que não estavam tentando engravidar. Metade delas tinha uma vida sexualmente ativa e a outra não. A diferença entre os estudos é que, enquanto um olhou para as células T — responsáveis por direcionar o sistema imunológico ao alvo certo e por determinar o melhor tipo de resposta — , o outro focou nos anticorpos — que classificam os patógenos como invasores e podem “desarmar” alguns deles.

As descobertas mostraram que as mulheres sexualmente ativas tinham maiores níveis de células T tipo 2. Essas células ajudam o corpo a aprender que a presença do que poderia ser visto como um invasor, como o esperma, não é de fato uma ameaça. Essas alterações não foram encontradas na metade do grupo que não tinha relações sexuais frequentes. No segundo estudo, os pesquisadores descobriram que durante a fase lútea (espessamento do útero), as participantes sexualmente ativas tinham níveis mais elevados de imunoglobulina G, que lutam contra doenças sem interferir na saúde uterina.

“O ato sexual envia um sinal para o sistema imunológico feminino priorizar as respostas imunes que promovem a concepção em detrimento de outras ações”, disse Tierney à Time. Apesar de os resultados estarem baseados na frequência sexual, a autora afirma que mesmo uma única relação fora do período fértil já pode ser útil para ajudar a aumentar a fertilidade.

Fonte: Veja

Pesquisa inédita aponta que mulher já descobre câncer mais cedo

Pesquisa inédita aponta que mulher já descobre câncer mais cedo

No mês destinado a conscientização e combate ao câncer de mama, um levantamento do Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), ligado a Secretaria de Estado da Saúde e a Faculdade de Medicina da USP, mostra que 60% das mulheres chegam ao hospital com a doença diagnosticada ainda no estágio inicial.

O estudo analisou atendimentos realizados durante um período de cinco anos, totalizando mais de 4 mil pacientes.

De acordo com a oncologista Laura Testa, o diagnóstico precoce permite tratamentos mais eficazes e menos agressivos. “Nossos números comprovam que as mulheres estão, sim, mais atentas à própria saúde, principalmente pela facilidade de acesso a informação e à prevenção, mas quando comparamos com as estimativas de países mais desenvolvidos, em que 80% dos casos são diagnosticados precocemente, percebemos que ainda há muito para avançar.”

É importante que as pacientes, ao notar qualquer mudança no corpo, procurem ajuda médica. A realização de exames de rotina, como a mamografia, ajudam a rastrear lesões pré-malignas ou mesmo o câncer no início e é recomendada a todas as mulheres com mais de 50 anos, ou antes, dependendo dos fatores de risco e da indicação médica.

O câncer de mama é o tipo de tumor mais comum entre as mulheres. No Brasil, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), corresponde a 25% dos novos casos de tumores por ano ¿ representando uma estimativa de mais de 57 mil novos casos somente em 2015.

No Icesp, o grupo de Mastologia realiza mais de 1,2 mil atendimentos por mês, entre consultas médicas e cirurgias. “Embora sejam os mais prevalentes, os tumores de mama são passíveis de prevenção e têm grande potencial de serem diagnosticados no início. Por isso, levantamos a bandeira da conscientização sobre o tema”, destaca o oncologista e diretor geral do Instituto, Paulo Hoff, ressaltando a importância do Outubro Rosa.

O movimento também vai colorir o hospital. Além da já conhecida iluminação do prédio de 23 andares, na movimentada Avenida Dr. Arnaldo, mais de três mil colaboradores vão receber laços rosas para usarem ao longo do mês. Os adornos foram produzidos por pacientes e pela equipe de voluntárias, durante oficinas de artesanato.

Fonte: Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo

Mais da metade das brasileiras na pós-menopausa têm carência de vitamina D

Mais da metade das brasileiras na pós-menopausa têm carência de vitamina D

Mais da metade das brasileiras na pós-menopausa sofrem com a carência de vitamina D. Esse quadro é ainda mais grave em locais com menor intensidade solar, como na região Sul do país. É o que diz um estudo realizado em conjunto por pesquisadores da Unifesp e da Associação Brasileira de Avaliação e Osteometabolismo (Abrasso).

Para a pesquisa, foram analisados dados de 1.933 brasileiras com idades entre 60 e 85 anos que eram portadoras de osteopenia (redução da massa óssea) e osteoporose. As participantes residiam nas cidades de Recife, Salvador, Rio de Janeiro, São Paulo, Curitiba ou Porto Alegre. De acordo com os autores, a escolha das cidades foi proposital para analisar se havia uma associação entre latitude e concentração de vitamina D.

“O problema é mais acentuado nas regiões onde o sol é menos intenso. Isso porque mais de 90% da vitamina D presente em nosso corpo é produzida por um processo bioquímico desencadeado quando os raios solares incidem sobre a pele.”, explicou Henrique Pierotti Arantes, endocrinologista da Abrasso e principal autor do estudo. “Quanto maior a latitude, menor o impacto dos raios sobre a pele da população e vice-versa”, disse o endocrinologista.

Os resultados do exame 25 hidroxivitamina D, que mede a concentração de vitamina D no organismo, mostrou que 51,3% das participantes tinham níveis inadequados (menor que 30 ng/mL) da substância. Em relação ao déficit por regiões, a carência de vitamina D (menor que 20 ng/mL) foi encontrada em 10% das mulheres nas cidades do Nordeste e chegou a 25% nas cidades do Sul do país.

“Para cada grau de latitude ao sul do país, há uma queda na concentração de vitamina D, de, em média, 0,3 ng/mL. Esses dados são importantes para a prevenção e controle da osteoporose no país. A carência de vitamina D pode diminuir o efeito do tratamento da doença, facilitar a ocorrência de fraturas em casos mais graves e até dificultar a absorção de cálcio intestinal, fundamental para que um indivíduo mantenha uma boa saúde óssea”, explica Arantes.

Silenciosa e assintomática, a osteoporose provoca o desgaste progressivo dos ossos e atinge cerca de 10 milhões de pessoas no Brasil, principalmente idosos e mulheres na pós-menopausa. Dados da International Osteoporosis Foundation (IOF) apontam que a doença é responsável por mais de nove milhões de fraturas por ano no país.

Embora a falta de vitamina D no organismo seja um problema crônico no país, ela pode ser combatida por meio de uma medida bastante simples: tomar sol. “O ideal é expor o tronco, os braços e as pernas, sem filtro solar, por apenas 10 minutos, das 10 horas e às 15 horas”, afirma a endocrinologista Marise Lazaretti Castro, diretora científica da Abrasso e coordenadora do estudo. A especialista ressalta, contudo, que pessoas com contraindicação ao sol, como aquelas que já tiveram câncer de pele ou com predisposição a ele, não devem fazer essa exposição. Nesse caso, é preciso procurar um médico para obter a vitamina por meio de suplementos.

“Pessoas do grupo de risco como idosos, obesos, doentes crônicos, pessoas com doenças inflamatórias, má absorção intestinal ou que foram submetidas à cirurgia bariátrica também devem procurar um médico para analisar a necessidade de suplementação de vitamina D”, explica Marise.

Ação da vitamina D – A substância é produzida pelo organismo quando os raios ultravioletas B (UVB) incidem sobre a pele e, internamente, desprendem partículas que dão origem à vitamina. Quando a substância é absorvida pela corrente sanguínea, passando pelo fígado e pelo rim, ela é transformada no calcitriol, um poderoso hormônio que aumenta a absorção de cálcio pela via intestinal.

Fonte: Veja